Famílias de baixa renda poderão financiar sistema de energia solar com juros mais baixos

A Câmara dos Deputados deve avaliar um projeto de lei que permite a aquisição de sistema de energia solar por meio de financiamento imobiliário. A medida, aprovada pelo plenário do Senado Federal, prevê a inclusão do valor para instalação de energia solar no sistema financeiro da habitação. O Brasil passa por uma das piores crises hídricas dos últimos 90 anos, o que afetou a produção de energia hidrelétrica e encareceu a conta de luz. O sistema de captação de energia do sol ainda é pouco utilizado no Brasil por conta do custo de instalação da estrutura.


Receber as principais informações diariamente pelo WhatsApp

De acordo com o projeto de lei, ao inserir esta opção no financiamento imobiliário, famílias de baixa renda poderão ter acesso ao sistema.O relator da proposta no Senado, senador Irajá (PSD-TO), destacou, durante a leitura do relatório, a importância da energia solar no país. “O Brasil possui um grande potencial para gerar eletricidade a partir do sol, mas o melhor aproveitamento de tal potencial exige incentivos fiscais e a oferta de novas linhas de financiamento para a aquisição de painéis fotovoltaicos. A geração de energia elétrica em residências por meio de painéis fotovoltaicos, ao reduzir a conta de luz, alivia o orçamento das famílias. Além disso, protege o meio ambiente, pois energia solar não polui, é renovável, limpa e sustentável. Evita-se, assim, o uso de fontes poluentes na geração de energia. Vale ressaltar que o proprietário também se beneficia com a valorização do imóvel, objeto da instalação”, ressalta o parlamentar. A autora do projeto de lei, senadora Kátia Abreu (PP-TO), reforçou que a medida vai auxiliar famílias de baixa renda no país. “É um benefício para todos os brasileiros, principalmente os mais pobres, que querem financiar a sua casa própria e a energia solar. Todos podem financiar a sua energia solar? Sim. Embutido no financiamento da casa própria, nos programas especiais de governo, essas pessoas terão o juro muito mais baixo e o prazo muito mais longo para pagar essa energia solar e diluir na prestação da sua casa própria. Faltava fazer isto para os programas de moradia e, com certeza absoluta, a população terá acesso a esta energia mais barata e ao mesmo tempo uma energia limpa”, analisa. Por conta da crise hídrica e energética, hoje os brasileiros pagam, na conta luz, taxa extra de R$ 9.49 a mais para cada 100 quilowatts hora consumidos. Esta taxa é determinada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), por meio do sistema de bandeiras tarifárias.

Por Luis Ricardo Machado

Rede de Notícias Regional /Brasília

Crédito da foto: Jane de Araújo/Agência Senado