Preço da gasolina sobe pela quinta vez em 2021

O preço da gasolina e do diesel sofreu o quinto aumento só neste ano de 2021. De janeiro para cá, o valor da gasolina, na refinaria, subiu mais de 41% e o diesel acumulou alta de 34%. A política de reajuste de preços, adotada pela Petrobras, tem sido o motivo para as constantes mudanças.

Resta para o consumidor brasileiro migrar para o etanol, historicamente mais barato que combustíveis derivados de petróleo. Porém, o preço do etanol não está tão em conta assim. Só em fevereiro, o combustível derivado da cana-de-açúcar teve alta de mais de 2% em comparação com o mês anterior. O etanol rende 30% a menos que a gasolina. O preço médio no país é de R$ 3.86, mas em regiões distantes das usinas, o preço do litro do etanol pode chegar a R$ 5.  

O diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Única), Antônio de Pádua Rodrigues, explica que o preço do etanol é regulado pelo mercado, e que em abril existe a previsão de redução do valor. “A gasolina tem vínculo com os preços do mercado internacional, com o preço do petróleo, com a taxa de câmbio, e o etanol segue a questão de mercado: de maior ou menor oferta, maior ou menor preço. Sempre vai acompanhar os preços da gasolina.

Quanto à questão dos preços, nós estamos em plena safra, que deve começar no dia primeiro de abril, e provavelmente estes preços serão mais atrativos e mais competitivos para o consumidor brasileiro”.  No mercado, o valor do litro do etanol deve ficar sempre acima de 70% do valor da gasolina. O economista Roberto Troster afirma que o governo pode intervir para frear a alta dos combustíveis no país. “O que está se fazendo são duas variáveis. Uma é o preço do petróleo no mercado internacional, aí não tem nada o que possa ser feito. Isto é muito mais por políticas da OPEP e o estoque é muito grande, aí o governo não pode intervir. Agora, na taxa de câmbio, sim.

O Brasil tem um regime cambial que é único no mundo. O câmbio oscila muito e essa oscilação tem impactos em toda a economia. O ideal seria mudar a política cambial”.   O Governo Federal publicou um decreto que zerou por dois meses o PIS e a Cofins sobre o diesel. Ambos os impostos estão previstos na Constituição Federal. A União também zerou impostos federais sobre o gás de cozinha, outro produto que subiu de preço nos últimos meses. Como contrapartida, o governo anunciou o aumento na cobrança de impostos para instituições financeiras.

Por Luis Ricardo Machado

Rede de Notícias Regional /Brasília

Crédito da foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Compartilhe