Governo sinaliza com prorrogação do Auxílio Emergencial

O presidente da República, Jair Bolsonaro, confirmou que se a economia no Brasil não melhorar, o Governo Federal pode prorrogar o Auxílio Emergencial. Em entrevista para uma emissora de televisão, Bolsonaro reforçou que o preço do dólar e o lockdown são alguns dos fatores que dificultam o crescimento econômico do país. “Eu acho que vai ter. Vai ter uma prorrogação. Você pode ver, foram cinco meses de R$ 600 e quatro meses de R$ 300. Um endividamento aí chegou na casa dos R$ 300 bilhões. Isto tem um custo. O ideal é a economia voltar ao normal”, explicou Bolsonaro, questionando até quando serão mantidas a política de isolar, lockdown e confinamento. “Grande parte da população está com dificuldade. É mais um endividamento (para o governo) e se você não fizer com responsabilidade, você acaba tendo a desconfiança do mercado”.


Receber as principais informações diariamente pelo WhatsApp

Criado em 2020, o benefício tem como objetivo ajudar famílias atingidas economicamente pela pandemia do novo Coronavírus. Foram pagas cinco parcelas de R$ 600 e mais quatro parcelas de R$ 300. Em dezembro o benefício foi cancelado devido à preocupação com o teto de gastos do governo.

Depois de uma reunião com o senador Rodrigo Pacheco, presidente do Senado Federal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que o Congresso e o Planalto já trabalham com a possibilidade de ajustar os gastos para a reativação do auxílio “Com a ideia de que a economia estava retomando e que a doença estava descendo, os programas foram calibrados até o final do ano, que era um ano fiscal, de exercício. A pandemia nos atacando de novo, temos um protocolo e temos de segui-lo. Se o Congresso aciona o Estado de Emergência ou o de Calamidade Pública, com toda a experiência que tivemos nós temos condição de reagir rapidamente à crise”, pondera Guedes.

Em 2020, o Governo Federal gastou R$ 620 bilhões no enfrentamento à Covid-19. Desse total, R$ 320 bilhões foram utilizados para o pagamento do benefício. Quase 68 milhões de famílias foram beneficiadas.

Por Luis Ricardo Machado

Rede de Notícias Regional /Brasília

Crédito da foto: Marcello Casal/JrAgência Brasil

Compartilhe