Segundo a ONU, Brasil perde, anualmente, R$ 200 bilhões com a corrupção

Hoje é o Dia Internacional de Combate à Corrupção. A data foi estipulada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2003, durante a assinatura da Convenção Mérida. O evento foi realizado para que os países membros da ONU se comprometessem a desenvolver políticas públicas de combate à corrupção Para o cientista político Valdir Pucci, a corrupção é uma praga que precisa ser extirpada. “A corrupção é uma chaga que precisa ser combatida, uma vez que tira recursos que poderiam ser colocados em proveito da sociedade para atender interesses particulares ou simplesmente interesses de uma elite”. De acordo com a ONU, o Brasil perde, anualmente, mais de R$ 200 bilhões em esquemas de corrupção. Em um ranking entre as 180 nações do mundo, o país está na posição 94.Para o economista César Bergo, as fraudes, os superfaturamentos e os desvios de verbas públicas colocam o Brasil em uma situação difícil no cenário internacional. “Um país que é visto desta forma afasta os investidores estrangeiros porque demonstra fragilidade das entidades e instituições de controle. Então gera uma insegurança jurídica muito grande e os investidores acabam não investido no país, não trazendo esses recursos por receio e por encarecer os custos das operações”. William Baghdassarian afirma que o dinheiro desviado anualmente no país seria suficiente para acabar com a pobreza extrema. “O valor desembolsado pelo Bolsa Família, por ano, é da ordem de 32 bilhões de reais, então daria para fazer sete Bolsas Famílias anualmente”, salienta o economista. No Brasil, o principal órgão de fiscalização é a Controladoria-Geral da União (CGU). Junto com o Ministério Público e a Polícia Federal, o órgão fica de olho nas verbas repassadas pelo Governo Federal para os estados e municípios. Todos os recursos podem ser conferidos pelo Portal da Transparência. “O Portal da Transparência significa um avanço e vem evoluindo muito nos últimos anos. Entretanto, no governo Bolsonaro sofreu um revés. É um governo que tende a dificultar as informações à sociedade”. Para se ter uma ideia, em novembro o governo pagou cerca de R$ 832 milhões em dívidas dos estados. Os dados foram divulgados pelo Tesouro Nacional e apontam que a dívida de prefeitos e governadores com a União cresce a cada dia. 

Por Luis Ricardo Machado

Rede de Notícias Regional /Brasília

Foto: ONU

Crédito da foto: Divulgação